Concurso Nacional de Piano Yamaha

Sobre o Concurso

O Concurso Nacional de Piano Yamaha é uma iniciativa pioneira que convida alunos de escolas de música filiadas ao CAEM (Centro de Apoio a Escolas de Música) a se desenvolverem ainda mais em seus estudos musicais.

A competição acontece durante o encontro anual do CAEM na cidade de São Paulo em dois turnos:

1ª categoria > Alunos de 12 a 14 anos | 2ª categoria > Alunos de 15 a 17 anos

Os vencedores de ambos os turnos levarão para casa um piano Yamaha, modelo JU109-PE.

As escolas/conservatórios dos 1ºs colocados de cada categoria também serão premiadas com uma Clavinova, modelo CLP-625R.

Com certeza estes prêmios vão inspirar muita gente!

As inscrições serão aceitas entre 29 de maio e 7 de julho de 2017.

 

Como participar:

 

Para mais detalhes sobre critérios de participação, repertório e avaliação:
Baixe o regulamento (Clique Aqui)!

 

Serão aceitas inscrições de alunos estudantes de música, matriculados em escolas/conservatórios filiados ao CAEM e que estejam nas faixas etárias determinadas pelo regulamento.

 

As inscrições devem ser feitas pela escola/conservatório (e não pelo aluno), exclusivamente online.

O 1º turno será através da gravação de um vídeo, que deverá ser disponibilizado no YouTube com a finalidade de cumprir a primeira fase eliminatória. No regulamento de inscrições consta todas as informações necessárias sobre a gravação do vídeo.

Os candidatos selecionados no 1º turno serão convocados para o 2º turno, que será presencial e consistirá de uma avaliação de performance tocando o instrumento.

 

Para os dois turnos serão disponibilizadas as partituras das peças exigidas em cada fase.

Baixe agora as partituras do Concurso nos links relacionados à sua categoria de inscrição e comece a praticar:

1ª Categoria - Partitura I2ª Categoria - Partitura I1ª Categoria - Partitura II2ª Categoria - Partitura II

 

A participação no Concurso é gratuita!

Não há limites de vagas para inscrições. Para o segundo turno serão aprovados 10 participantes de cada categoria e serão premiados os 1ºs, 2ºs e 3ºs lugares.
As escolas/conservatórios dos 1ºs colocados de cada categoria também serão premiadas.

 

Cadastre-se:

 

Cadastre o aluno que melhor representa o ensino na sua escola. Não esqueça de ler o regulamento clicando aqui!

Clique aqui para se cadastrar

 

Premiação:

 

1º lugar – Piano Acústico Yamaha JU109-PE

2º lugar – Piano Digital P-115B//BRA

3º lugar – Piano Digital P-45B//BRA

Escola do aluno primeiro colocado – CLP-625R

 

1º lugar – Piano Acústico Yamaha JU109-PE

2º lugar – Piano Digital P-115B//BRA

3º lugar – Piano Digital P-45B//BRA

Escola do aluno primeiro colocado – CLP-625R

 

Períodos/Localização

 

As finais acontecerão em:
29 de Julho de 2017 – 1ª categoria [Alunos de 12 a 14 anos]
30 de Julho de 2017 – 2ª categoria [Alunos de 15 a 17 anos]

 

Local: Auditório na Universidade Paulista (UNIP) – Unidade Bacelar, durante o evento do Centro de Apoio às Escolas de Música (CAEM).
Endereço: R. Dr. Bacelar, 1212 - Vila Clementino, São Paulo - SP, 04026-002

 

 

Jurados


Dia 29 de Julho – Sábado

Eudoxia de Barros

Por essa sua devoção à Música Brasileira, foi premiada com a quase centena de músicas de compositores brasileiros dedicadas a ela, e com a sua eleição, em 1989, para a ACADEMIA BRASILEIRA de MÚSICA, fundada por Villa Lobos, ocupando a cadeira nº 14, cujo patrono é Elias Álvares Lobo.

Em 3 de Setembro de 1982, casou-se com OSVALDO LACERDA, um dos melhores e mais festejados compositores brasileiros, com quem no passado, estudara as matérias teóricas da Música, como Teoria, Solfejo, Harmonia, Análise, Contraponto e um começo na Composição.

Lacerda já lhe dedicou uma enorme quantidade de obras, e uma delas, intitulada “CROMOS”, para piano e orquestra, obra muito original e linda, recebe de Eudóxia um carinho especial, esperando divulgá-la, se possível, pelo mundo inteiro. Já a apresentou sob a regência de Diogo Pacheco (OSESP), Cláudio Ribeiro (OSPA), duas vezes sob a regência de Luiz Fernando Malheiro (OMSP), Lutero Rodrigues (Orquestra Sinfonia Cultura, no Festival de Campos do Jordão, em 1999, duas vezes no SESC Belenzinho, em 2002, com a Sinfonia Cultural e duas vezes em 2003, com a Orquestra Sinfônica de Sto. André) e Henrique Morelenbaum (com a Orquestra Petrobrás Pró-Música, no Rio de Janeiro, em 8 de Novembro de 2003).

Recebeu o importante “PRÊMIO NACIONAL da MÚSICA“, como INTÉRPRETE, outorgado pela Funarte, em 1995, o que faz relembrar uma crítica que recebera em 10 de Abril de 1960, de Américo Bandeira, no Correio Paulistano.

Fundou com seu marido, Sr. Osvaldo Lacerda, e outros compositores, em 1984, o CENTRO de MÚSICA BRASILEIRA, sociedade civil que organiza concertos e concursos só de músicas brasileiras.

Para mais informações acesse: www.eudoxiadebarros.com.br/biografia_portugues.html



 

Takao Shirahata

Formado em pedagogia musical pela Universidade de São Paulo, Takao foi sócio-fundador da Roland do Brasil, onde atuou como CEO por 25 anos.
Atualmente é Gerente de projetos do Terceiro Setor na Yamaha Musical do Brasil.



 

Lilian Barreto

Foi vencedora de inúmeros Concursos Nacionais de Piano, entre eles, o Concurso Nacional de Piano da Bahia em 1968. Recebeu do Ministério da Cultura da Polônia a Medalha de Ordem ao Mérito em 1984. Neste mesmo ano, participou do Congresso de Mulheres Musicistas em Paris e, por dois anos consecutivos, realizou estágio de produção artística na Royal Opera House, em Londres.

Além de sua carreira como solista e camerista, foi diretora da Sala Cecília Meireles e do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. No Brasil, tocou sob a regência de Isaac Karabtchevsky, Simon Blech, David Machado, Roberto Duarte, Diogo Pacheco, Alceu Bocchino, Thomas Conlin e muitos outros.

Para mais informações acesse: www.concursopianorio.com/?page_id=1646



 

Cristian Budu

O jovem pianista Cristian Budu é considerado um dos expoentes de sua geração. Dotado de uma musicalidade genuína e de uma calorosa força de comunicação, sua personalidade artística e seu colorido pianismo vêm sendo internacionalmente reconhecidos. Desde muito jovem, Cristian alcançou os primeiros lugares em diversos concursos nacionais, como o Concurso Nelson Freire e o Programa Prelúdio da TV Cultura.

Em 2013, aos 25 anos de idade, Cristian tornou-se o primeiro brasileiro a vencer o Grande Prêmio – mais 2 prêmios extras, incluindo o prêmio do público – do Concurso Internacional Clara Haskil, na Suíça, um dos mais importantes e prestigiados do cenário mundial, que elege apenas um ganhador por edição (e por vezes nenhum). Laureados anteriores incluem nomes como Richard Goode, Christoph Eschenbach, Mitsuko Uchida e Evgeni Korolyov. Tal prêmio foi considerada pela criítica especializada como a mais importante conquista por parte de um pianista brasileiro nos últimos 22 anos, e lançou Cristian numa carreira internacional, sendo empresariado pela agência Artemtriz para concertos na America Latina e pela agência Caecilia, uma das mais tradicionais na Europa, que empresaria artistas como Daniel Barenboim, Nelson Freire, Joshua Bell e a própria OSESP.

Para mais informações acesse: www.cristianbudu.com/bio



 

 

Dia 30 de Julho – Domingo

Julio Medaglia

Seu primeiro contato com um instrumento, um violino infantil, se deu em casa, mas não por meio de seus pais. Um dia, o então oboísta Isaac Karabitchevsky, o leva para a Escola Livre de Música, onde lecionava um dos grandes mentores musicais da época, Hans Joachim Koellreutter. Seu contato com esse mestre alemão lhe abre um novo e amplo universo musical. Aproveitando a oportunidade de estudar no Velho Mundo, Júlio Medaglia toma aulas de regência sinfônica em Taormina, com Sir John Barbirolli, um dos mais respeitados maestros do século 20. No final dos anos 60, Júlio retorna ao Brasil e participa ativamente, com Solano Ribeiro, da organização dos célebres Festivais da Record. Nessa época, culturalmente excitante em todo o mundo, participa dos mais variados movimentos artísticos de vanguarda, entre os quais o da Poesia Concreta, "oralizando" poemas com os irmãos Campos e Décio Pignatari. No final de 1967, escreve o revolucionário arranjo para a canção "Tropicália", de Caetano Veloso, que marca o início do Tropicalismo. Em 1968, na Record, a mais importante estação de TV da época, produz o "Opus 7", um dos mais criativos e bem sucedidos programas de música clássica da televisão brasileira. Nos anos 80, dirige, por 4 anos, o Theatro Municipal de São Paulo. Nesse período compõe as trilhas sonoras para os seriados de Walter Avancini, para a TV Globo. No início dos anos 90, assume a Direção Artística do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, e, em seguida, a Regência Titular da orquestra do Teatro Nacional de Brasília. Em agosto de 2005, estreou um novo e revolucionário programa na TV Cultura, "Prelúdio", um "show de calouros" para jovens intérpretes de música clássica! Atualmente, ocupa o cargo de Diretor Artístico do Theatro São Pedro, em São Paulo.

Para mais informações acesse: www2.uol.com.br/juliomedaglia/bio.htm



 

Amilton Godoy

Completou sua formação com Nellie Braga, na Escola Magda Tagliaferro e a partir daí participou e venceu importantes concursos, tais como: 3° Prêmio no Concurso Nacional de piano da Bahia em 1962, 3° Prêmio no Concurso Nacional de piano do Rio de Janeiro em 1963, Vencedor do IV Concurso Nacional de piano Eldorado em 1964, Medalha de ouro “Prêmio Governador do Estado de São Paulo” também em 1964, Vencedor do Concurso Nacional “Hora de Arte” como Melhor Intérprete de Villa- Lobos no mesmo ano. Quando mudou-se para São Paulo, Amilton Godoy recebeu o convite do músico José Ferreira Godinho Filho, o Casé, para integrar seu quinteto, experiência que se tornou decisiva em sua formação.

Com o Zimbo Trio, dividiu o palco com nomes importantes como Elis Regina, Elizeth Cardoso em turnê por diversos países. Com Elis Regina, Wilson Simonal e Jair Rodrigues marcaram uma época com o “FINO DA BOSSA”.

Ainda como pianista do Zimbo Trio ganhou todos os prêmio nacionais e internacionais como o melhor grupo instrumental no Prêmio “Pinheiro de Ouro” por 3 vezes, o primeiro em 1964, Roquete Pinto, no FESTIVAL DEL DISCO INTERNACIONAL DE MAR DEL PLATA, na ARGENTINA, CARACAS – FESTIVAL DE ONDA NUEVA o inclusive o Prêmio de Melhor Grupo Instrumental no Premio SHARP de música em 1994, Prêmio TIM em 2008 no 23 Prêmio da Música Brasileira em 2012, com o CD ZIMBO TRIO AUTORAL que possui apenas músicas de sua autoria.

Coordenou o departamento de piano em Campos do Jordão no Festival de inverno.

Foi diretor por dois anos da Semana Guiomar Novaes em São João da Boa Vista e em 2012 ministrou o curso de piano e 5 cursos de palestras ilustrativas com temas variados na Oficina de musica de Curitiba.

Foi membro da Comissão de Música da Secretaria de Estado da Cultura e do Conselho Estadual de Cultura por oito anos.

Como solista, é considerado um dos maiores pianistas do mundo e atuou como convidado de orquestras regidas por grandes maestros, tais como: Cyro Pereira, Julio Medaglia, Chico de Moraes, Simon Bleche, Roberto Sion, Maurício Galindo, Wagner Tiso.

Para mais informações acesse: www.dgproducoesartisticas.com.br/projetos/amilton-godoy-60-anos-de-carreira/



 

Takao Shirahata

Formado em pedagogia musical pela Universidade de São Paulo, Takao foi sócio-fundador da Roland do Brasil, onde atuou como CEO por 25 anos.
Atualmente é Gerente de projetos do Terceiro Setor na Yamaha Musical do Brasil.



 

Lilian Barreto

Foi vencedora de inúmeros Concursos Nacionais de Piano, entre eles, o Concurso Nacional de Piano da Bahia em 1968. Recebeu do Ministério da Cultura da Polônia a Medalha de Ordem ao Mérito em 1984. Neste mesmo ano, participou do Congresso de Mulheres Musicistas em Paris e, por dois anos consecutivos, realizou estágio de produção artística na Royal Opera House, em Londres.

Além de sua carreira como solista e camerista, foi diretora da Sala Cecília Meireles e do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. No Brasil, tocou sob a regência de Isaac Karabtchevsky, Simon Blech, David Machado, Roberto Duarte, Diogo Pacheco, Alceu Bocchino, Thomas Conlin e muitos outros.

Para mais informações acesse: www.concursopianorio.com/?page_id=1646



 

Andre Mehmari

Mudou-se para São Paulo em 1995, com seu ingresso na ECA-USP. Tornou-se mais conhecido pelo grande público quando venceu em 1998 o primeiro Prêmio Visa de MPB. Participou como solista em importantes festivais de jazz brasileiros como o Chivas Jazz, o Heineken Concerts (com Mônica Salmaso) e o TIM Festival, e internacionais como o Spoleto Festival USA (André Mehmari Trio) e Blue Note Tokyo (turnê japonesa de Joyce e Dori Caymmi).

Apontado como um dos mais originais músicos da cena brasileira e premiado tanto na área erudita (Nascente-USP, Concurso Camargo Guarnieri e Prêmio Carlos Gomes) quanto popular (Visa, Nascente-USP), André já teve suas composições e arranjos tocados por alguns dos mais expressivos grupos orquestrais e de câmara brasileiros, entre eles OSESP, OSB, Sujeito a Guincho e Quinteto Villa-Lobos.

Como instrumentista já atuou ao lado de Milton Nascimento, Sérgio Santos, Guinga, Mônica Salmaso, Toninho Horta, Flávio Venturini e Alaíde Costa, entre muitos outros nomes da música popular brasileira.

O CD Lachrimae apresenta além de composições próprias, recriações de clássicos da nossa rica música popular. Seu recente projeto “Piano e Voz”, com a cantora Ná Ozzetti, lançado em CD e DVD, é considerado uma obra prima pela crítica especializada.

Em 2007 recebeu o prêmio Carlos Gomes na categoria revelação e foi apontado compositor residente para a Banda Sinf. Do Est. de São Paulo. Recentemente criou música orquestral para a abertura oficial dos Jogos Panamericanos Rio 2007 e teve uma obra estreada pela pianista Maria João Pires, na Europa. Gravou ‘Contínua Amizade’, em parceria com Hamilton de Holanda, e ‘De Árvores e Valsas... ’, inteiramente dedicado `as suas composições. Encerrou a temporada de câmara da OSESP 2008, na prestigiosa Sala São Paulo, com lotação máxima, num concerto histórico. Lançou em 2009 o álbum ‘Miramari’, com o virtuoso clarinetista italiano Gabriele Mirabassi. Com ‘Nonada’, foi indicado ao Grammy latino em 2008. Idealizou e estreou ‘Afetos’, um projeto que estabelece pontes entre a música barroca e a canção brasileira.

Para mais informações acesse: www.andremehmari.com.br/new/paginas/PORTUGUES.asp



 

Regulamento: