Derico Sciotti

Biografia

Derico Sciotti

"Sou flautista, saxofonista, contra-baixista e também toco guitarra, violão, piano e bateria, mas não ao mesmo tempo (risos). Comecei a estudar flauta aos cinco anos de idade e aos 11 me profissionalizei. Um dos acontecimentos mais engraçados da minha trajetória, foi quando estava tocando com a minha banda Derico & Sindicato do Jazz em um festival no Piauí. No meio do som subiu ao palco um guarda da PM e pediu para fazer um solo da música que estava sendo tocada pelo tecladista. Enquanto eu tentava fazê-lo esperar surgiu uma pessoa no palco com um trompete com surdina e o PM mesmo estando razoavelmente bêbado tocou um solo maravilhoso para duas mil pessoas, acreditem se quiser, mas eu toquei com um bêbado! Nesses nove anos de parceria devo muito a Yamaha. Ela é uma empresa de altíssimo nível que tem em seu quadro grandes profissionais. Com a Yamaha trabalho com segurança e alegria".

Profissional desde os 11 anos, Derico Sciotti começou seus estudos de flauta aos 5 anos de idade. Desde então, teve a oportunidade de estudar com mestres renomados como João Dias Carrasqueira, Antônio Carlos Carrasqueira, Jean-Noel Saghaard, Lídia Alimonda, Héctor Costita, Amilson Godoy, entre outros.

De formação erudita, Derico Sciotti obteve grande repercussão nacional a partir de 1974, quando ganhou vários concursos nacionais e internacionais para jovens instrumentistas, o que possibilitou sua participação em diversos recitais e concertos pelo Brasil.

Em 1979, paralelamente à sua carreira erudita, Derico Sciotti começa a tomar conhecimento de novos estilos musicais como jazz, blues, música instrumental (fusion) e música experimental (dodecafonismo e minimalismo). É nesse momento que abre as perspectivas instrumentais, aprendendo linguagens novas de instrumentos como saxofone, guitarra, contrabaixo, violão, bateria e piano.

Derico Sciotti torna-se multi-instrumentista e parte para a carreira mais popular, onde conhece músicos e artistas com quem passa a trabalhar, tais como Amelinha, Diana Pequeno, Marlui Miranda, Ana de Hollanda, Jean e Paulo Garfunkel, Celso Viáfora, Eliete Negreiros, Chico César, além de participar com o Grupo Ânima de mostras musicais com artistas e grupos como Itamar Assumpção, Arrigo Barbabé, Grupo Rumo, Premeditando o Breque e Língua de Trapo.

Em 1983 funda juntamente com sua família a Escola de Música Artlivre, que hoje conta com duas unidades em São Paulo abrigando, entre crianças, jovens e adultos, uma comunidade de 300 alunos e 15 professores.

Em 1986, como contrabaixista, passa a integrar um grupo de músicos "representantes" de equipamentos da multinacional Roland, uma empresa japonesa de instrumentos e equipamentos musicais de última geração.

Em 1990, Derico Sciotti é convidado a participar das gravações do programa Jô Soares Onze e Meia do SBT Canal 4 de São Paulo como saxofonista e flautista do Quinteto Onze e Meia. Este trabalho possibilitou a Derico Sciotti tocar com músicos como George Benson, Billy Cobham, Ian Anderson, Ray Coniff, Randy Crawford, Roberto Carlos, Gilberto Gil, Cláudio Roditi, Pepeu Gomes, Ed Motta, Pedrinho Máttar, Paralamas do Sucesso, Kid Abelha, entre outros. Porém, além de músico, passou a atuar também como "Assessor para Assuntos Aleatórios", participando e ajudando Jô Soares nas mais diversas e inusitadas situações criadas dentro do programa.

Hoje Derico Sciotti é contratado da Rede Globo de Televisão, onde atua no Programa do Jô, juntamente com O Sexteto. 

YTS-62

Finish: Gold lacquer

YFL-211

Série 200, flautas Standards.